Exportações de feijão bóer para Índia atrasadas, provocando a subida de preços

Pelo menos 150.000 toneladas métricas de feijão bóer destinadas à Índia estão retidas nos portos de Moçambique à espera de permissão de exportação da alfândega, apesar de múltiplos pedidos dos comerciantes nas últimas semanas, informaram cinco funcionários do sector na quarta-feira.

Notícias
8. Nov 2023
398 visualizações
Exportações de feijão bóer para Índia atrasadas, provocando a subida de preços

A Índia, o maior produtor e consumidor mundial de feijão bóer, depende de importações durante o último trimestre do ano antes da colheita do novo cultivo em janeiro. Mais de metade das importações de feijão bóer da Índia provêm de Moçambique.

"As reservas estão actualmente retidas em armazéns portuários e os comerciantes estão a suportar enormes custos de armazenamento e refumigação", disse Suhas Chougule, director-gerente da MozGrain Lda, uma subsidiária local da Ma'aden Saudi Arabia, com sede na Beira, Moçambique. "Apesar de termos todos os documentos de exportação necessários de acordo com a lei, os nossos 200 contentores estão retidos. A alfândega de Moçambique não está a conceder permissão, nem está a fornecer qualquer motivo."

A demora elevou os preços na Índia em quase 10% em dois meses, à medida que os estoques diminuem durante a época de oferta escassa, contribuindo para a inflação alimentar antes das eleições estaduais deste mês e das eleições nacionais no início do próximo ano.

No entanto, alguns exportadores obtiveram licenças de exportação que lhes permitem enviar 50.000 toneladas de feijão bóer para a Índia, disseram os comerciantes.

Em resposta a uma consulta da Reuters, o Ministério da Agricultura de Moçambique partilhou um comunicado emitido em outubro que informava o cancelamento de certificados fitossanitários para bens em processo alfandegário a partir de 22 de setembro, após ter encontrado 400 deles como falsos ou duvidosos, mas acrescentou que retomou a emissão desde então. Recentemente, um novo comunicado foi emitido dando conta da retoma na emissão dos certificados, com a adopção de novos modelos e procedimentos para evitar falsificação.

A produção de feijão bóer da Índia na época 2023/24 deve diminuir devido às chuvas fracas em áreas-chave de cultivo em agosto e outubro.

A Índia precisará importar 1,2 milhões de toneladas de feijão bóer no ano que termina em 31 de março de 2024, em comparação com as 894.420 toneladas do ano anterior, de acordo com estimativas do governo.

Satish Upadhyay, um importador de leguminosas com sede em Mumbai, disse que atrasos nas remessas causaram um aumento de preço de $100 por tonelada nas últimas semanas.

"Moçambique está ciente de que a Índia está em extrema necessidade de feijão bóer este ano devido a uma fraca colheita local, e estão a tirar partido da situação", disse ele.

No mês passado, a Índia expressou preocupações sobre os atrasos nas remessas durante uma reunião entre o secretário de assuntos do consumidor, Rohit Kumar Singh, e o alto comissário de Moçambique em Nova Deli, Ermindo A. Pereira.

Durante a reunião, Pereira assegurou ao seu homólogo que seriam tomadas medidas necessárias para garantir o fluxo suave das exportações de feijão bóer para a Índia, de acordo com um comunicado do governo indiano de 27 de outubro.

No entanto, a situação em Moçambique não mudou, disse Bimal Kothari, presidente da Associação Indiana de Leguminosas e Grãos.

"Moçambique parece estar a explorar a escassez de oferta da Índia, atrasando as remessas e mantendo a segurança alimentar da Índia como refém", disse Kothari.

Tem um negócio? Crie uma loja
Usuário não registrado
Olá wave
Bem-vindo! Entrar ou Registrar